Eu estava na rodoviária de Nazca, Peru. Despedi-me de uma holandesa que tinha sido minha companheira de viagem nos últimos dias. Ela ia para a Bolívia e eu ia para Lima.

Senta ao meu lado um rapaz e começa a conversar. Fred, de Lima, havia ido a Nazca visitar um tio e voltava para Lima, sua cidade. Contei rapidamente que estava viajando pela América Latina. Ele disse: eu vou ser seu anjo protetor em Lima.

Como assim?- pensei- Eu não pedi proteção alguma…

Mas mal não faria em conversar um pouco. Ele era um rapaz humilde e não parecia ter intenções obscuras em relação a mim.

Chegamos cedinho em Lima e a saída da rodoviária era bem feia. Tudo fechado, cheio de gente estranha pelas ruas. Teria sentido medo se ele não estivesse comigo. Ele me mostrou Lima e ainda foi comigo conhecer meu próximo destino, Huaraz. Na verdade, ele ficou encantando e inspirado com minha estória de viajar sozinha, descobrindo as Américas…

Nem uma foto tirei com ele…

Mas tive uma grande lição: desconfiei e até menosprezei quem ao final acabou sendo mais um anjo no meu caminho…